Startup cria bikes de bambu e doa para crianças que não têm como ir à escola

Bernice Dapaah é uma jovem que decidiu, logo após terminar a faculdade, criar um negócio próprio que ao mesmo tempo ajudasse a combater o alto índice de desemprego entre os jovens de seu país, Gana, beneficia seus funcionários, meio ambiente e comunidade e que só utilizasse como matéria-prima os recursos locais.

Com esses nobres objetivos nasceu a Ghana Bamboo Bikes. Seis anos depois de seu lançamento a empresa emprega 35 jovens funcionários, que receberam capacitação para manusear o bambu e dar vida as suas bikes sustentáveis e que possuem diferentes designs! A empresa ainda tem um programa de doação de bike para crianças que não possuem outro meio de transporte para chegar à escola.

Para cada pé de bambu utilizado pela empresa são plantados outros 10. TODOS os materiais utilizados para a construção das bicicletas são  resistentes, acessíveis financeiramente e 100% recicláveis.

Aqui tudo o que você precisa é um wifi, cozinha e um belo apetite!

Já imaginou fazer aquele ceviche peruano ou uma tradicional massa italiana, podendo tirar dúvidas ao vivo e sem pagar o preço de uma aula particular?

Já imaginou fazer aquele ceviche peruano ou uma tradicional massa italiana, podendo tirar dúvidas ao vivo e sem pagar o preço de uma aula particular? A empreendedora Patricia Abbondanza antes de criar o Cook Mood já acumulava no currículo experiência na culinária e no site Dedo de Moça que, por meio dele, a chef colocava dicas, prestava consultorias empresariais e agendava aulas particulares em São Paulo. Mas, com o tempo, a procura das aulas por pessoas fora da cidade cresceu muito e ela não tinha como atender. Foi aí que, em parceria com o Dedo de Moça, nasceu o Cook Mood.

A seleção de cozinheiros é a partir de dois modelos de cozinheiro dentro da plataforma: o “homecook”, que seria o cozinheiro amador, e o “chef”.Em todos os casos são pedidas fotos da cozinha e da receita, além de um mínimo de conexão à internet, depois, os profissionais respondem um questionário final. Se ele for um cozinheiro profissional, também precisa mandar seu diploma ou uma justificativa de sua experiência na área.

Apesar das várias etapas do processo de seleção, a ideia é que a plataforma fique cada vez mais aberta a novos cozinheiros, pois a proposta do Cook Mood é de ser para qualquer um, não apenas chefs e ainda ganhando dinheiro com isso!

A empreendedora afirma que para isso o negócio investe em dicas para ensinar os professores a usarem os recursos tecnológicos de forma mais eficiente e, com o tempo, tudo isso é avaliado pelos próprios alunos, que atribuirão notas aos cozinheiros e às suas aulas.

Dois meses depois de sair do papel, o Cook Mood foi escolhido para ser acelerado pela “fábrica de startups” americana Food-X, especializada em negócios de alimentação.

Agora, o Cook Mood vive entre São Paulo e Nova York: de um lado, o escritório paulista fica ao lado da equipe do Dedo de Moça; de outro, os sócios Patricia, Felipe Novaes e Johnatthas Poltronieri se revezam em viagens aos Estados Unidos. Em fevereiro, o Cook Mood será apresentado no evento Startup Grind, organizado pelo Google.

Por enquanto, a plataforma está na versão de testes. É possível acessar e assistir às aulas gratuitamente, inclusive pelo aplicativo para o sistema iOS. São mil usuários que utilizam o Cook Mood e 30 cozinheiros cadastrados.

Com o feedback desses usuários e dos profissionais, além da integração com o serviço de pagamentos Paypal, a ideia é que o serviço lance sua versão oficial entre março e abril.

Com o tempo, o objetivo do Cook Mood é se tornar um grande acervo digital de aulas gastronômicas, um "Netflix Gastronômico", em que as aulas que já foram transmitidas poderão ser acessadas por meio de uma assinatura mensal.

Acesse aqui o Portal: https://cookmood.com

 

Uma nova maneira de inovar

A partir da ideia de dois casais de amigos que buscavam empreender de maneira sustentável, nasceu a Komborgância.

O principal objetivo de Joana Ricci, Thiago Avelaneda, Paula Zucareli Ribeiro e Mario Junior é facilitar o acesso aos produtos orgânicos, mostrando que eles não precisam ser necessariamente tão caros ou tão complicados quanto algumas pessoas fazem parecer, e estando sempre perto de quem quer comprá-los.


É uma forma de trazer produtos naturais sem nenhum tipo de agrotóxico, direto do produtor para a mesa, proporcionando um alimento muito mais saudável e saboroso para o consumidor.

Eles criaram a Nica, uma “truck-feira”,  uma feira móvel montada em uma kombi antiga que leva esses produtos orgânicos de porta a porta. Alem disso, a cada dia da semana estacionam a kombi em um local diferente da cidade por meio de parcerias com empresas, como academias e restaurantes, e realizam a venda de duas delícias – todas certificadas. São frutas, legumes verduras, bolo, granola, geleias, iogurte, pães, molhos, antepastos, café, arroz e feijão além de um lindo jardim de mudas de temperos. 

 

O delivery da Komborgânica atende quase todos  todos os bairros de São Paulo. Os interessados recebem uma lista com os itens disponíveis na semana e selecionam os que gostariam de receber em casa. Liga lá: 011 98336-8662

Facebook: www.facebook.com/komborganica/

Site: komborganica.com.br/

Sustenta CaPÃO - A padaria sustentável

Os irmãos José Carlos (Zé Carlos) e Bruno Horácio (Bruno Capão) cresceram em Capão Redondo, uma comunidade na Zona Sul de São Paulo que,embora seja violenta, vem sofrendo mudanças através da arte, música e culinária. Aos 12 anos Zé Carlos já se arriscava na cozinha da avó e aos 14 começou a trabalhar em uma padaria. Já Bruno passou pela cadeia muito jovem, mas através de um sonho criou forças e seguiu em frente em busca de um futuro melhor.

            

Desde pequeno, Bruno se interessava por material reciclável. Ele gostava de observar os catadores e, o fato do lixo poder se transformar a partir de suas mãos, lhe trazia muita satisfação. Seu sonho desde cedo era ser coletor de lixo urbano, mais conhecido como lixeiro, como brinca na palestra dada no TEDx.  Mas a adolescência o levou para a reclusão na Fundação Casa. Quando saiu de lá, voltou a estudar e conseguiu um emprego como coletor no caminhão de lixo.

          

Em 2007 chegou ao Capão Redondo um projeto social chamado Instituto Rukha (palavra em aramaico que significa “sopro de vida”), do empresário Marcelo Loureiro, para atender famílias em situação de alta vulnerabilidade como a de Bruno e Zé. O Instituto funcionou até 2012 e oferecia um salário mínimo e acompanhamento de educadores e psicólogos aos moradores que participavam. Zé enxergou a oportunidade e, por meio do projeto Virada Social São Paulo, do Instituto, conseguiu emprego em uma das melhores padarias da cidade, a PÃO (Padaria Artesanal Orgânica).

            

Já o Bruno, que se formava em um supletivo e era muito ativo na Associação de Moradores do Capão, viu que o Rukha tinha uma parceria internacional que pagava um curso superior para jovens líderes de comunidades e ganhou uma bolsa, escolhendo cursar Gestão Ambiental.

            

Em 2012 Bruno se formou e viu que não tinha mais oportunidade de crescer dentro da empresa de coleta. O irmão, tinha saído da PÃO e passado por outras padarias e restaurantes. Ambos estavam em um hiato profissional. Foi ao perceber que era realmente bom no que fazia que Zé teve a ideia de abrir seu próprio negócio e chamou Bruno para fazer parte do projeto. Assim nasceu o Ateliê Sustenta CaPÃO, - trata-se de um espaço gourmet sustentável em que pessoas dos centros urbanos interagem com moradores da comunidade. Cada detalhe contém material vindo de reciclagem ou reutilização da própria comunidade e é onde os irmãos servem cafés da manhã e lanche da tarde, recheados com delícias, todas artesanais.

            

Além do espaço comunitário, que atende com reserva prévia, os irmãos iniciaram a fabricação diária de pães de mel e traçam planos para o futuro. Segundo Zé, o Sustenta é um empreendimento social que oferece experiências gastronômicas, alimentação menos industrializada e o melhor pão de mel da cidade. A comunidade consome cerca de 70% do que é produzido e o negócio dos irmãos inspira os jovens do Capão, provando que se existe um sonho concreto dentro de você, você consegue colocá-lo pra fora de alguma maneira. A verdadeira conexão entre o fazer e os nossos sonhos.

Confira a palestra na íntegra, dada pelo Bruno Capão no TEDxJardins:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=465&v=Z1BIZmy31SI

Encontros geram reflexões sobre a comida e o comer

Foto/Reprodução: SESC SP

Foto/Reprodução: SESC SP

A partir desta semana, o Sesc Belenzinho realizará atividades para quem gosta de gastronomia e, uma delas, será uma oficina sobre um tema já mencionado aqui no blog: plantas comestíveis não convencionas – PANCs.

Guilherme Reis, que é gestor ambiental e pesquisador desse tipo de planta, e a nutricionista Neide Riego, apresentarão o cultivo e o consumo dessas plantas e ensinarão a inseri-las no cotidiano. 

Recapitulando: as PANCs - Plantas Alimentícias Não Convencionais - são aquelas que encontramos facilmente por aí e a maior parte das pessoas não se dão conta das suas funções alimentares. Muitas são consideradas como 'matos' e temos a mania de retirar dos nossos quintais sem qualquer utilização. 

Também podemos considerar como PANCs algumas plantas comuns, como a bananeira, pois acabamos restringindo o seu consumo apenas a uma parte, ao fruto maduro, sendo que as demais são renegadas. Logo, todas as plantas com funções alimentícias não conhecidas e com partes não usuais podem ser classificadas como uma PANC.

Este tema não é nada novo, o uso destas plantas já vem sendo registrado e incentivado por muitas pessoas, já atingindo a alta gastronomia através do chef Alex Atala, do restaurante D.O.M. 

As atividades realizadas no Sesc Belenzinho são totalmente gratuitas e fazem parte da segunda edição do projeto Comer É Mais que irá até novembro. Inclui bate-papos, visitas e oficinas sobre gastronomia.

Quer participar? Aqui te damos as informações:

Onde: Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho; tel: (11) 2076-9700;  http://migre.me/rCDAc

Quando: Sábado, 26 de setembro, às 10h

Obs: serão distribuídas senhas 30min antes do inicio no local! 

"Alimentando o Planeta, Energia para a Vida" é tema de evento em Milão

Foto/Reprodução: Revista Casa e Jardim

Foto/Reprodução: Revista Casa e Jardim

Até outubro, a Expo Milão 2015 será palco de um confronto de ideias e soluções acerca do tema “Alimentando o Planeta, Energia para a Vida”, sendo o maior acontecimento, até hoje realizado, sobre comida e nutrição.  É descrita por seus colaboradores como “um laboratório de inovações” ligadas ao “desenvolvimento sustentável, à segurança alimentar e qualidade na cadeia de produção”.

Então o que é exatamente a Expo Milão?  O evento é voltado à conscientização do publico sobre mudanças climáticas e o desperdício de alimentos, estimulando a criatividade de todos os países participantes e promovendo a inovação para um futuro sustentável.

Será um momento de reflexão e busca de soluções para a contradição entre as 870 milhões de pessoas que passam fome, as 2,8 milhões de pessoas que morrem em função de problemas de saúde causados por excesso de comida ou má alimentação e 1,3 bilhões de toneladas de comida que são desperdiçadas todos os anos.

Seu objetivo é oferecer uma resposta concreta a uma necessidade vital: o que deve ser feito para que se possa garantir comida saudável para todos os povos respeitando o planeta e o seu equilíbrio? Será possível encontrar uma harmonia entre demanda e consumo com escolhas políticas conscientes, estilo de vida sustentável e tecnologia de ponta?

A Expo Milão 2015 é, também, uma oportunidade dos países conhecerem e experimentarem os melhores pratos do mundo e descobrirem a tradição gastronômica dos 145 países participantes.

Durante todo o evento, os pavilhões expositivos e a cidade de Milão contarão com eventos artísticos, musicais, espetáculos, laboratórios criativos e mostras culturais.

Ficou curioso e quer saber mais sobre o evento? Acesse: http://www.expo2015.org/en    

Aplicativo gratuito que localiza o Food Truck (e Gloops) mais perto de você

FoodTrack: aplicativo que ajuda encontrar o foodtruck mais perto de você! (Foto: Reprodução/Facebook)

FoodTrack: aplicativo que ajuda encontrar o foodtruck mais perto de você! (Foto: Reprodução/Facebook)

Os food trucks caíram no gosto dos brasileiros e, graças a Prefeitura de São Paulo, que em 2014 sancionou uma lei que regulariza o funcionamento de barracas e carros de comida de rua, mais de 400 veículos do gênero já entraram e estão em funcionamento.

No dia a dia corrido, eles servem como uma alternativa para alimentação rápida e barata e também passaram a compor food parks espalhados em diferentes pontos da cidade. Encontrar o food truck mais perto, uma tarefa que até poderia ser complicada, agora está mais fácil graças a um aplicativo gratuito chamado “Food Track” que mostra, em tempo real, a localização dos principais food trucks próximos ao usuário, além do tipo de comida oferecido, cardápio, preços, entre outras informações.

Se você é dono de food truck também pode usar a ferramenta para cadastrar seu veículo. Na versão exclusiva para donos, que também é gratuita, é possível registrar um truck em apenas três cliques.

O app  já conta com mais de 150 trucks cadastrados. Entre eles, nomes como Hot D.O.C e A Torta de Maçã onde você pode encontrar um Gloops para acompanhar seu pedido! 

O aplicativo está disponível para aparelhos iOS (¹) e Android (²). 

(¹) itunes.apple.com/us/app/foodtrack/id924469327?mt=8

(²) play.google.com/store/apps/details?id=br.com.app.foodtrack&hl=pt_BR

O pai do surfe moderno

Pai do surf moderno, Duke Kahanamoku, ganha Doodle de aniversário (Foto: Reprodução/Google)

Pai do surf moderno, Duke Kahanamoku, ganha Doodle de aniversário (Foto: Reprodução/Google)

Esta semana é celebrado o 125º aniversário de Duke Kahanamoku, nadador e surfista norte-americano. Nesta segunda-feira, 24 de agosto, o Google trouxe uma prancha de surfe nas ondas do Havaí em homenagem ao pai do surfe moderno. Medalhista olímpico do time de natação dos EUA das décadas de 10 e 20 do século passado, além de difundir o surfe como esporte Duke também atuou no cinema em dezenas de filmes e documentários que colocaram o Havaí em evidência no mundo. O "Embaixador do Havaí", como é conhecido, morreu em 1968 e suas cinzas foram jogadas no mar em Waikiki, Honolulu. 

O "pai do surfe moderno" nasceu em 1890 e morreu em janeiro de 1968, ao 78 anos. Duke Kahanamoku foi integrante da equipe de natação dos Estados Unidos e, ao todo, participou de três Olímpiadas (1912, 1920 e 1924) conseguindo cinco medalhas (três de ouro e duas de prata), incluindo também um recorde mundial.

Conhecido como Big Kahuna, participou ativamente do processo que tornou o Hawai um Estado dos EUA. Nomeado xerife de Honolulu por mais de dez vezes ele usou sua popularidade para disseminar a cultura havaiana e o surfe ao redor do mundo.

Até hoje Duke é lembrado não apenas como um herói olímpico, mas como A verdadeira lenda do surfe. Mahalo*, Duke!

*Mahalo quer dizer obrigado em havaiano.

Conheça a primeira surfista do Bangladesh

Nasima Akter em trecho do documentário The Most Fearless

Nasima Akter em trecho do documentário The Most Fearless

A surfista bengalesa Nasima Akter tem muita história para contar nesses 18 anos de vida. Aos sete anos de idade foi expulsa de casa  quando não aceitou se prostituir para ajudar a família. Sem ter para onde ir acabou encontrando abrigo  junto a uma comunidade de surfistas em uma região de Bangladesh chamada Cox's Bazar, lar da maior praia do mundo, 150 quilômetros initerruptos de areia branca e mar. Ali aprendeu o que é sua paixão e sua vida: o surf.

Na cultura muçulmana, só o fato da mulher nadar em público já a torna alvo de julgamentos, mas nada impediu Akter em transforma-se na pioneira do esporte em seu país. Mais do que pioneira, ela é uma sobrevivente.

Sua trajetória de vida chamou a atenção do documentarista californiano Heather Kessinger, que dirigiu um filme sobre sua história chamado The Most Fearless. O diretor conta que “Nasima quer ser uma boa esposa muçulmana e respeitada por sua comunidade, mas ela não está nem um pouco disposta a abrir mão do seu sonho de ser surfista profissional por isso”. “Ao contar a própria história, ela está quebrando barreiras para que outras garotas façam o mesmo”. Isso faz com que Akter seja reconhecida como: pioneira, sobrevivente e, agora, inspiração. 

Bateu curiosidade e quer saber mais? Para assistir ao Teaser do documentário basta clicar no link (¹) ou acessar a pagina destinada à ela no Facebook (²) no final da página!

 

(¹ ) www.youtube.com/watch?v=W5shm8J0Cyw

(²) www.facebook.com/TheMostFearless

 

 

 

 

Conheça a bicicleta urbana ecologicamente correta feita com garrafas PET

Muzzicycles: bicicleta urbana ecologicamente correta

Muzzicycles: bicicleta urbana ecologicamente correta

Resultado de uma pesquisa de 12 anos do artista plástico uruguaio radicado no Brasil, o empresário Juan Muzzi constrói bicicletas que reduzem o impacto ambiental. As bicicletas ecológicas (¹) possuem o quadro de plástico feito a partir da reciclagem de garrafas PET. Para quem usa, as vantagens imediatas são a leveza em relação às tradicionais e o fato de não enferrujarem. Para o planeta, além da matéria-prima reciclada, elas não recebem solda, não levam tinta e geram uma economia de energia elétrica de 96% no processo de produção. E ainda são bonitas!

Na cidade de Indaiatuba, no interior de São Paulo, Juan realizou um projeto em parceria com a prefeitura. Com materiais reciclados disponibilizados pela população, o artista transformou-os em quadros para bicicletas que hoje são usadas gratuitamente pela população local.

(¹) http://www.muzzicycles.com.br/